Madri, 20 set (EFE).- Jarbas Agnelli, o único brasileiro entre os 125 semifinalistas do concurso "YouTube Play. Bienal de vídeo criativo", disse à Agência Efe que para "Birds on Wires", um dos vídeos mais visitados no YouTube, se inspirou em "uma foto de jornal de uns pássaros em cabos" de rede elétrica.

O vídeo (www.youtube.com/watch?v=LoM4ZZJ2UrM), que é um dos 125 semifinalistas selecionados entre 23 mil criações procedentes de 91 países por uma equipe de funcionários do Museu Guggenheim, é "na realidade, uma obra muito singela", afirmou.

Em entrevista à Efe, Agnelli explicou que o sucesso do vídeo, de um minuto de duração, é que a associação dos pássaros com notas musicais é interpretada pelo público no sentido de que "a natureza é arte".

O vídeo "Birds on Wires" é mudo, mas o segredo do sucesso está na trilha sonora através da imagem fixa de pássaros que descansam em cabos de alta tensão, o que faz com que as aves sejam interpretadas como notas musicais e os cabos como as linhas de uma folha de partitura.

Deste modo, ele compôs uma melodia levando em conta "a posição exata dos pássaros" que se transformam em notas no próprio vídeo, disse ele, que é diretor de anúncios de publicidade para a televisão.

Segundo ele, a trilha sonora do vídeo é composta com base em notas musicais de piano e com arranjo de orquestra que Agnelli interpretou e gravou usando o computador.

Quando tinha uma parte da trilha sonora, enviou ao fotógrafo Paulo Pinto, a quem não conhecia. Por sua vez, Pinto mandou a melodia a seu chefe e uma semana depois ele foi convocado ao jornal "O Estado de São Paulo", relatou Agnelli.

Em novembro, quando foi para uma conversa ao fórum americano TED, Agnelli decidiu "interpretar ao vivo com uma orquestra" que colocou no YouTube (www.youtube.com/watch?v=7VxZZzxEzXA) e recebeu um grande volume de visitas, comentou o dono da produtora AD Studio.

Um vídeo, cujo primeiro passo "foi pegar algo muito simples e passar a vê-lo com outros olhos", está na final do "YouTube Play", organizado pela fundação nova-iorquina Solomon R. Guggenheim e pelo YouTube, e será exibido em todos os museus Guggenheim. EFE

bp/abb