FAMOSIDADES

FAMOSIDADES

MAIS: Por Onde Anda: Debby Lagranha

Por KAREN LEMOS

SÃO PAULO – “Pode me ligar em meia hora? Estou no salão, terminando de tirar a sobrancelha, sabe como é”. Foi assim que Débora Rodrigues atendeu o primeiro contato do Famosidades. Ela estava se produzindo, como toda mulher gosta.

Para um cotidiano qualquer, a frase soaria banal demais. Mas estamos falando da única mulher - atualmente - piloto da categoria Fórmula Truck, a tradicional corrida de caminhões. Prestes a embarcar para Buenos Aires para mais um Grande Prêmio da Fórmula, Débora nem pensa em deixar a vaidade de lado, mesmo que boa parte desse esforço fique escondido em quilos de equipamento e de um pesado macacão que veste para correr.

“Me sinto muito melhor do que quando posei para 'Playboy', aos 29 anos. Vejo que estou mais segura. Ser uma mulher madura traz essa segurança, porque nos conhecemos melhor com o tempo. Com 29, quando tudo aconteceu muito rápido na minha carreira, estava com medo por não saber o que iria acontecer. Hoje sou tranquila e muito mais feliz”, contou Débora, que hoje está com 42 anos.

Reprodução

Reprodução

A capa da “Playboy” que Débora citou talvez ajude a memória do leitor. Em 1997, essa morena cheia de curvas que deixava os homens embasbacados, tirou a roupa e entrou para a história da publicação em uma capa que anunciava: “A sem-terra mais bonita do Brasil”. Com essa apresentação, Débora ganhou o título de musa do MST ao se identificar com o movimento e até acampar em condições beirando a miséria.

“Vi muitas dificuldades ali dentro. Situações de doença, de falta de comida, tudo que você pode imaginar. São pessoas que estão ali porque realmente querem um pedaço de terra para recolher a vida”, detalhou.

Pensar que Débora era uma mulher bonita querendo se engajar em causas nobres é um equivoco. De onde saiu, do interior do Paraná - em Bela Vista do Paraíso -, a piloto passou por muita coisa na vida, que a vacinou do cotidiano sofrido no MST. Quando nova, chegou a fazer de tudo um pouco. Trabalhou como frentista, motorista de ônibus lotado de bóias-frias, e até aprendeu a dirigir caminhão com apenas 12 anos, para ajudar o pai dentro de casa.